Como organizar um mochilão: tudo o que você precisa saber

Muita gente sonha em fazer um mochilão, mas a maioria não sabe nem por onde começar. Realmente, planejar viagens pode ser bem complicado, já que são muitas coisas a considerar. Mas, com tantas plataformas, aplicativos e outras ferramentas pra ajudar pode ser até divertido! Por isso, aqui vai um guia rápido sobre como organizar um mochilão.

Só que antes de começar, vale lembrar que criei uma página de recursos com todos os meus sites (e aplicativos) preferidos pra achar acomdação, passagens, etc. Se eu fosse você colocava nos seus favoritos pra ajudar no planejamento!

Agora, vamos pro passo-a-passo pra você planejar seu primeiro mochilão.

1) Escolher o(s) destino(s)

Como organizar um mochilão

Claro que tem gente que já sabe exatamente para onde quer ir, mas sempre é legal pesquisar bastante quando for organizar um mochilão. Pode ser que pertinho do seu destino dos sonhos tenha um país muito interessante que valha a pena visitar. Então, pra não comer barriga, vale dar aquela fuçada pra se inspirar antes de ir.

Eu escolhi meus destinos considerando vários fatores: meus sonhos, custos, distância, clima… E também deixei espaço para espontaneidade. Se você tiver tempo suficiente, acho sempre legal deixar um espaço de tempo para mudar um pouquinho os planos.

Se você já sabe que quer fazer um mochilão pela Europa, ou pelo Sudeste Asiático, por exemplo, mas não sabe quais países específicos, ou ainda não tem a miníma noção de pra onde ir, aqui vão as minhas dicas pra escolher os destinos perfeitos pro seu mochilão:

  • Se inspire

A nossa geração é, com certeza, a geração das experiências. Muita gente está viajando e, principalmente, documentando suas viagens. Então, dá pra encontrar inspiração em vários lugares.

Primeiro, você pode se inspirar pelo Instagram. Existem um milhão de hashtags (eu sigo a #femmetravel) e perfis de viagem que podem servir de inspiração.

Hoje existem tantos influenciadores que dá pra encontrar inspiração para viajar sozinha, com as amigas, em casal…

Outra plataforma inspiradora (e viciante) é o pinterest. Se prepare pra ficar horas e horas fuçando e encontrando fotos e artigos incríveis sobre viagem. Você ainda pode criar pastas para organizar suas ideias e inspirações. Eu tenho uma pasta chamada “Bucket List 2019” com todos os países que quero visitar esse ano.

Por fim, vale pesquisar no Youtube e no Google. Com certeza você vai encontrar um lugar que te chame a atenção e que se encaixe com o tipo de viagem que você quer fazer.

Ah, você também pode visitar minha página de “Destinos“. Lá eu listei os lugares que já visitei e os lugares que mais quero visitar no futuro. Pode ser que um deles te chame a atenção.

  • Pesquise os custos, o clima, a segurança e a documentação necessária.

Depois que você já tiver uma ideia de pra onde quer ir, pesquise tudo sobre os lugares, mas principalmente os custos, o clima, a segurança e a documentação necessária.

Para definir os custos você deve considerar quanto tempo vai viajar, se você vai na alta ou baixa temporada, os preços das acomodações, transporte… Um site legal que pode te ajudar é o Quanto Custa Viajar.

organizar um mochilão

Nele você escolhe o destino, o tempo que você planeja ficar e o tipo de acomodação. O site faz todo o trabalho de pesquisa e calcula pra você a média dos gastos já considerando a passagem, acomodação, alimentação, transporte e atrações turísticas. Ah, ainda rola um guia bem completinho sobre o lugar.

organizar um mochilão

Claro que o valor calculado é só uma média, então sempre garanta um extra para gastos inesperados e para custos de preparação (seguro viagem, compra de itens de viagem, documentação)…

Outro fator importante é pesquisar o clima. Se você odeia o frio, por exemplo, evite o hemisfério norte no fim do ano. Já se você quer evitar pegar só dias de chuva no paraíso, verifique qual o melhor período para visitar a praia dos seus sonhos. O site thebesttimetovisit pode te ajudar.

Além disso, é bem legal evitar a alta temporada, porque você vai economizar muito. Viajar para Europa em maio, por exemplo, sai muito mais barato do que ir em julho.

Por fim, pesquise quão seguro é o seu destino, principalmente se estiver viajando sozinha, e a documentação necessária. Países da União Europeia e a Rússia, por exemplo, não exigem visto, enquanto alguns países do Sudeste Asiático emitem o chamado Visa Upon Arrival (visto na chegada).

Outro documento importante é o certificado de vacinas. O certificado internacional da vacina da febre amarela é obrigatório em vários países na Ásia e na África. Para não ter surpresas na hora do check-in, ou pior ainda, da chegada, faça uma boa pesquisa na hora de organizar a viagem.

2) Comprar as passagens

Passar horas pesquisando lugares lindos na internet é realmente uma das partes mais legais de organizar um mochilão. Mas o primeiro passo que transforma seu sonho em realidade é comprar as passagens.

Lá na página de recursos eu coloquei uma lista de sites que gosto de usar na hora de pesquisar. Existe um grande debate sobre com qual a melhor hora de comprar, mas a resposta é uma só: a melhor hora é na hora que sai uma promoção.

Por isso é muito importante ativar as notificações de aplicativos e sites como o Hopper e o PassagensImperdíveis. Geralmente as promoções são em datas de baixa temporada, ou saem com alguns meses de antecedência. Por essa razão, comece a busca assim que decidir o destino.

Outra dica importantíssima é pesquisar as passagens usando uma janela anônima. Isso porque os sites de busca funcionam utilizando o sistema de cookies, que salva suas antigas pesquisas para “melhorar” seu funcionamento. É por isso que depois que você pesquisa uma passagem pra Miami, por exemplo, começa a receber anúncios sobre Miami no facebook, instagram…

Pesquisando na janela anônima, o site te vê como um novo usuário e te oferece os primeiros e verdadeiros preços. E o melhor: não salva sua pesquisa, garantindo que se houver uma nova pesquisa os preços continuarão genuínos.

  • Ser flexível ajuda muito

Eu usei muito a opção “para qualquer lugar” do skyscanner durante meu mochilão. Essa opção é ótima pra quem tem bastante flexibilidade, porque mostra qual é o destino mais barato saindo da sua localização atual. Foi assim que acabei parando em São Petersburgo por R$354.organizar um mochilão

O Kiwi tem uma ferramenta parecida, você pode escolher “Qualquer Local” e os destinos mais baratos aparecerão listados e também no mapa.

Além disso, nos dois sites você pode pesquisar as melhores datas para comprar. No skyscanner é só usar a opção “mês inteiro” e no kiwi, você clica no calendário e o site já te mostra os valores em cada dia.

Por fim, pesquise considerando também outras formas de chegar. O kiwi já faz mais ou menos isso por você, já que considera diferentes conexões pra chegar no destino final, mas vale a pena pesquisar por conta própria. Eu fui parar na Tailândia pegando dois voos bem inimagináveis: do Brasil pra LA e de LA para Hong Kong, e acabou saindo muito mais barato e bem menos cansativo que um voo Brasil – Bangkok direto.

A dica principal é: pesquise muito. Assim, você garante o melhor preço e a melhor passagem.

3) Crie um roteiro básico

organizar um mochilão

Organizar um mochilão não é planejar cada passo e segundo da viagem. Por isso, não se preocupe em prever cada pequeno detalhe da sua viagem: uma das partes mais legais do mochilão é a imprevisibilidade.

Eu, particularmente, prefiro reservar hostels e transportes entre países só para as primeiras semanas. Isso permite que você tenha muito mais flexibilidade e, acredite, você vai querer ter a opção de mudar os planos.

Em alguns destinos, principalmente na alta temporada, é imprescindível reservar com antecedência (nas Filipinas e no verão europeu, por exemplo). Por essa razão, é importante pesquisar bastante pra ter uma noção. Sugiro pesquisar na comunidade de mochileiros no facebook, no google, e conversar com outros mochileiros.

Para reservar a acomodação sugiro utilizar o Agoda (principalmente na Ásia) e o Hostelworld. Eu usava os dois para pesquisar valores e fechava no mais barato. Considere também usar o Airbnb, ainda mais se você estiver viajando com amigas, pode sair mais barato que hostels.

Ganhe R$130 de desconto usando esse link 

Para ter uma noção de transporte entre os países e dentro deles sugiro utilizar o Rome2Rio. O site lista valores de passagens de ônibus, ferries, trens, aluguel de carros… e ainda oferece guias de viagem.

Além disso, faça um checklist das atrações imperdíveis em cada destino. Eu, por exemplo, tinha o sonho de visitar a Big Lagoon nas Filipinas, e o Museu do Dostoievski em São Petersburgo. Por isso, já separei o dinheiro e o tempo para visitar os dois.

Isso é importante porque algumas atrações são muito populares e podem ser bem disputadas. Assim, garantir ingressos antecipadamente pode ser uma boa ideia. Mas lembre de sempre considerar a flexibilidade.

4) Contrate um Seguro Viagem

Viajar sem um seguro viagem é loucura. E não só isso: pode te trazer um grande prejuízo e é obrigatório em alguns países.

Por isso, quando você tiver decidido quais destinos deseja visitar comece a pesquisar seguros de viagem. Eu utilizei o World Nomads e recomendo eles de olhos fechados.

A World Nomads é o seguro viagem da revista de viagem Lonely Planet, conhecidíssima entre os mochileiros. A cobertura deles é garantida pela empresa suíça Zurich e é a mais alta entre os seguros que pesquisei. A WN ainda permite que você escolha os continentes que vai visitar, sem precisar detalhar exatamente quais países, ao contrário do que ocorre com as demais empresas e pode ser contratada por até 6 meses.

Se você quiser pesquisar outras opções, existem plataformas online que ajudam a comparar, como a Seguros Promo e a Real Seguro Viagem.

Sugiro que você pesquise bem o que está coberto e considere mais do que somente o preço. Nesse item vale muito a pena investir.

5) Comece a arrumar o mochilão/as malas

organizar um mochilão

Eu amo essa parte! Escolhidos os destinos você já consegue ter uma ideia do que vai precisar levar.

Nesse post aqui eu falei bem detalhadamente sobre o que levar para um mochilão no Sudeste Asiático e pela Europa (os dois que eu fiz). Mas nele você também encontra dicas bem gerais pra te ajudar a se preparar, inclusive qual mochilão eu escolhi e os motivos.

Primeiro você vai ter que decidir se vai usar mochilão ou mala de rodinhas, essa decisão vai depender muito dos paíse para onde você decidir ir. Se forem no Sudeste Asiático ou na América Central sugiro, sem sombra de dúvidas, usar o mochilão. Já na Europa dá pra usar malas de mão com rodinha numa boa.

Depois, é muito importante fazer um checklist do que você vai precisar levar. Nesse post eu tenho o meu checklist e sugiro que você dê uma olhadinha. Lembre-se de sempre levar cadeados, toalha de secamento rápido e um kit de remédios básico.

O legal de ter uma checklist é que você garante que não vai esquecer nada. Mesmo assim, pode ser que você acabe esquecendo, mas fique tranquila porque até os lugares mais remotos vão ter itens de necessidades básicas. Eu revisitava sempre a checklist nos dias antes da viagem, pra ver se lembrava de algo, e sugiro que você faça o mesmo.

6) Decida como levar seu dinheiro

Minha dica aqui é levar seu dinheiro dividido em várias formas: dinheiro em espécie e mais de um cartão.

Eu levei bem pouco dinheiro em espécie, e só porque ia passar um tempinho em Los Angeles antes de ir pra Ásia. O resto eu dividi em cartões pré-pagos, o principal foi o multi-moeda da mastercard que converte o seu saque ou o pagamento na modalidade crédito pra praticamente todas as moedas do mundo (em todos os países que visitei funcionou muito bem).

Eu sugiro que você leve também pelo menos um cartão de crédito para emergências. Mas se não der, não tem problema, eu não levei. O importante é ter um (ou mais) plano B, que pode ser um cartão de crédito, um familiar que possa te mandar dinheiro, uma conta com um dinheiro extra que você possa acessar em caso de apuros…

Hoje existem umas soluções bem legais e tecnológicas que podem valer a pena. O apple pay e o google pay permitem que você faça pagamentos usando seu celular em lojas (quase todos os lugares na Rússia aceitavam). Já com o paypal você consegue fazer pagamentos online e em aplicativos e enviar pagamentos pra outras pessoas/empresas que tenham conta no paypal também (usei quando precisei emprestar dinheiro de amigos e até pra pagar hostels).

Caso você vá ficar muito tempo em um mesmo lugar com moeda única, como pela Europa, pode ser que levar o dinheiro em espécie seja mais econômico, isso porque você economiza no IOF e outras taxas dos cartões. Só se lembre de tomar os cuidados necessários, como não levar toda a quantia em um único lugar, usar as famosas “doleiras”, fechar as mochilas com cadeado e não levar toda a quantia com você a todo tempo.

7) Confira tudo mais de uma vez

Depois de tudo organizado, vale a pena conferir novamente os documentos necessários, os itens essenciais, as formas que você vai utilizar para levar dinheiro e também as informações gerais mais importantes sobre os destinos.

Eu sempre tiro foto dos documentos principais (passaporte, visto, identidade…) e mando pro meu e-mail e pros meus familiares, assim garanto sempre uma cópia. É uma boa fazer isso e também levar cópias coloridas e plastificadas já que o melhor é deixar o passaporte original no armário do hostel.

Além disso, eu sugiro fuçar muito no google, no instagram, no pinterest, no facebook… Quanto mais informações você tiver, melhor. Inclusive, se você for uma mochileira indo viajar sozinha, sugiro que você pesquise também informações específicas para mulheres.

No facebook eu sugiro os seguintes grupos:

Além disso, não tenha vergonha de sair por aí perguntando. Eu estou sempre disponível pra ajudar viajantes de primeira viagem, e responder a perguntas. Vocês podem mandar mensagem pelo instagram ou comentando nesse post.

Por fim, dá pra você já garantir alguns aplicativos que podem ajudar a tornar o mochilão mais tranquilo. Na página de recursos eu listei vários deles, mas desde já destaco esses daqui:

O maps.me permite que você faça download dos mapas dos lugares que vai visitar e permite o acesso offline a eles. Isso pode ajudar muito quando o acesso à internet for difícil e garante que você não dependa de conexão nenhuma pra se localizar.

O google translator ajuda muito, eu usei várias vezes na Rússia, principalmente pela função de tradução simultânea através da câmera.

Para quem ainda não tenha o uber no celular, vale muito a pena baixar pra usar na viagem. Praticamente todos os lugares do mundo têm hoje o Uber e eu considero muito mais seguro do que usar táxi, já que você sabe o preço de antemão e tem todos os dados do motorista e da viagem salvos no aplicativo.
O Grab é uma espécie de uber asiático e muito útil em vários países por lá como em Bali, Malásia, Tailândia… Se você estiver indo pra lá, sugiro já fazer o download.

8) Aproveite muito

Organizar um mochilão é muito legal, mas também dá muita dor de cabeça… A ansiedade bate forte e às vezes pode parecer coisa demais pra pensar e planejar.

Por isso, espero que você consiga acalmar os nervos pra conseguir aproveitar ao máximo esse momento de expectativa que também faz parte do mochilão.

Não vale a pena perder a cabeça também depois da preparação. Perrengues e contratempos vão acontecer com certeza. Esteja preparada para encarar esses momentos numa boa e até tirar coisas boas deles. O mochilão mais legal é aquele que acontece de uma forma totalmente diferente da que você esperava.

Então, não fique tentando controlar cada segundo da sua viagem. Seja flexível. Assim você vai conseguir aproveitar ainda mais a sua viagem.


Espero que vocês tenham gostado das dicas! Se tiverem dúvidas, podem mandar nos comentários que responderei o mais rápido possível!

Bom mochilão pra vocês!!

 

You may also like

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *