O Projeto

lone wolfing é um projeto que nasceu da junção da minha vontade de viajar o mundo com a minha vontade de mudar o mundo. Além do meu crescimento pessoal e do aprofundamento da minha própria experiência como cidadã global, eu também queria ajudar, de alguma forma, outras pessoas.

Assim, percebendo a falta de informações claras e objetivas que ajudassem especificamente mulheres que sonham em viajar o mundo (um tipo de viagem que, infelizmente, ainda requer mais cuidados e mais informações), resolvi documentar a minha experiência rodando o mundo para ajudar a delinear quais as informações imprescindíveis às mulheres que queiram fazer o mesmo. Não só isso, quero servir também de motivação àquelas que ainda têm medo de viajar, ou fazer qualquer outra coisa ainda compreendida como muito “perigosa” para o gênero feminino.

Eu ainda sentia a falta de um objetivo um pouco maior e um pouco mais ligado às minhas raízes ideológicas. Dessa forma, resolvi também usar um pouco do meu privilégio para dar mais espaço e voz às lutas feministas que ainda não são discutidas na mesma proporção e intensidade que aquelas que dizem respeito às mulheres brancas, ocidentais e de classe média.

Nasceu então o segundo propósito do projeto lone wolfing: retratar os desafios que mulheres enfrentam em outros cantos do mundo e também no Brasil, mas que ainda não são discutidos amplamente.

Esse é, portanto, um projeto eclético, sem regras rígidas e sem grandes pretensões. Espero crescer e amadurecer junto com ele e, entre erros e acertos, me tornar uma pessoa melhor ao mesmo passo que causo algum impacto no mundo. Aqui o bom humor é bem vindo e os assuntos tidos como “banais” também têm seu merecido espaço, sem neuras, sem pré-julgamentos e sem surtos de grandiosidade.

Mais do que os meus pontos de vista, esta é uma plataforma para todos os discursos que dêem primazia aos direitos da mulher, assim como também um diário de bordo com um compilado de dicas para ajudar aquelas que sonham em viajar o mundo. É um projeto que nasceu para ser coletivo.

A viagem começará no dia 09 de abril de 2018, sem data certa para acabar, mas desde antes de seu início, já compartilharei dicas de preparação para a viagem, apreensões normais das mulheres que ousam se aventurar sozinhas pelo mundo, e discussões acerca de grupos de minorias femininas cujos discursos ainda são marginalizados.

Acompanhe, deixe seu comentário, sua dúvida ou sua crítica. Que esse seja um espaço tão seu quanto meu.

Ah, e se você preferir estímulos de imagem aos textos, pode acompanhar o projeto no Youtube e no Instagram.

Já se você curte informações rápidas, pode acompanhar pelo Twitter ou pela página do Facebook.

Espero que gostem e que a vida de vocês seja também impactada pelas aventuras que vou viver nesses próximos meses.