Principais medos de viajar sozinha (e como superá-los)

Antes de viajar passei muitas noites em claro, repassando tudo que podia dar errado. Os medos de viajar sozinha são muitos e, infelizmente, são em sua maioria reais. Então nada mais normal que ficar apreensiva antes de pegar a estrada sem companhia.

Mas, mais do que assustadora, a viagem sozinha é libertadora e nos ensina sobre nossa própria força e sobre as maravilhas que o mundo tem a nos oferecer.

Por isso, esse post é pra compartilhar os medos que eu tive antes de viajar e que muitas mulheres ainda têm antes de viajarem sozinhas. E, ainda, como criar a coragem pra ir com medo mesmo.

Até porque eu não espero que, como mágica, seus medos desapareçam. Muitos deles são saudáveis e vão te manter sempre alerta. Situações ruins, infelizmente, acontecem de verdade.

No entanto, o que você não pode permitir é que esses medos te impeçam de realizar seus planos e sonhos. É preciso considerar o medo, mas compreender que você é maior que ele.

 

Aqui vão os principais medos de viajar sozinha e dicas de como superá-los:

 

  • Segurança 

Esse é o maior dos medos de viajar sozinha. Aqui entra não só o medo da violência física, como também da violência sexual.

Infelizmente, viajar não faz com que os medos que sentimos desde que nos tornamos mulheres desapareçam magicamente. Nem os medos que aprendemos a sentir vivendo em um país como o Brasil (assaltos, sequestros…).

A verdade é que a violência é um problema inescapável. Ela está em todos os lugares. Por isso, o medo de sofrer qualquer violência na viagem não é fantasia, e é saudável, porque vai sempre te lembrar que é preciso tomar precauções.

Mas também é verdade que viajando eu pude compreender que a maioria das pessoas é boa. Os violentos são exceção e geralmente estão procurando quem está “perdido” e vulnerável.

Por isso, mesmo sendo impossível controlar tudo, você pode tomar cuidados que vão diminuir muito os riscos. Os principais deles é se planejar, tentar ao máximo agir como os locais (turistas são vítimas mais fáceis), e manter os documentos e coisas de valor guardados nos cofres do hostel ou em uma pochete grudada ao corpo.

Mas como evitar o assédio? 

Infelizmente, ser mulher é foda. Atraímos atenção indesejada até quando saímos de moletom. Eu sei, passo por isso diariamente.

Então, minha dica aqui não é nem que você se vista de forma conservadora. Até porque alguns países são simplesmente quentes demais pra você andar de calça jeans e manga comprida.

Minha dica é que você seja firme e demonstre confiança quando as piadinhas começarem (rir e fingir que tá tudo bem só piora). E se a situação for assustadora demais, procure ir para um lugar público.

Muita gente me perguntou se eu não estava levando um spray de pimenta, ou até uma arma. E não, não levei. E em nenhum momento essas coisas foram necessárias.

Quando homens perguntavam se eu estava sozinha eu falava que não. Inventava amigos e namorados imaginários que estavam me esperando no hostel. Isso já te torna menos vulnerável. Além disso, pegava quartos femininos em hostels sempre que possível, e era grossa quando precisava ser.

Os cuidados são muito semelhantes aos que a gente já está acostumada a tomar aqui no Brasil. Então, não se preocupe, é possível viajar sozinha e não sofrer violência sexual, mesmo sendo mulher. E quanto mais mulheres viajarem sozinhas mais normalizada vai ser a prática, e não vai ser mais tão estranho e exótico (ou perigoso) estar sozinha viajando.

Sugiro a leitura do livro Livre da Cheryl Strayed. Nele, ela conta a sua experiência percorrendo uma trilha sozinha nos EUA e todos os medos que ela passou e superou. É bem legal e inspirador.

  • Solidão

Medos de viajar sozinha

Outro medo muito comum é de ficar sozinha. Eu amo meus momentos só, e inclusive surto se ficar muito tempo rodeada de gente. Mesmo assim, antes de viajar ficava horas pensando “e se eu não conhecer ninguém?”, “e se eu não tiver com quem conversar“?

Primeiramente, quero ressaltar que uma das melhores coisas de viajar sozinha é justamente compreender a beleza e delícia de estar sozinha. É uma oportunidade de ouvir a seus próprios pensamentos, de se conectar com você mesma e de superar a necessidade de estar sempre com alguém.

Viajar sozinha vai te ajudar a transformar as relações de dependência em relações de amor livres.

Mas é claro que nenhum homem é uma ilha, e ter com quem conversar, rir e trocar experiências é algo inerentemente humano. Então esse medo faz muito sentido. Imagina se eu ficasse 6 meses viajando sozinha sem conhecer ninguém? Eu ia estar que nem o Tom Hanks em “O naufrago”, conversando com bolas de vôlei.

Não só não me tornei o Tom Hanks, como também voltei pra casa com amigos maravilhosos que fiz ao redor do mundo e memórias lindas de experiências que vivi com pessoas que eu jamais teria conhecido se tivesse ficado em casa. Me apaixonei, desapaixonei, tive conversas profundas com pessoas que nunca mais revi, compartilhei medos e ouvi histórias mil.

Por isso, só posso te dizer uma coisa: viajar sozinha não significa estar sozinha 100% do tempo. E a necessidade do contato humano vai te impulsionar a se abrir mais, a puxar conversa, a investir em amizades com pessoas que não tem nada a ver com você e que vão te transformar.

Leia também:

Dicas para fazer amigos viajando sozinha 

Mas e os inevitáveis momentos sozinha? 

medos de viajar sozinha

Realmente, estar completamente sozinha em alguns momentos da viagem é inevitável. Eu inclusive aprendi a amar muito esses momentos, quando “digeria” tudo que tinha vivido, organizava meus pensamentos e compreendia a maravilha do que eu estava vivendo.

Mas tem um pessoal que simplesmente morre de medo de comer sozinho, de estar em um ambiente público sozinho, de chegar numa festa sozinho…

Talvez por eu ter morado sozinha por 6 anos esse medo já nem existia mais dentro de mim. Mas existem várias formas de você superar esse medo e de evitar o “tédio” de estar sozinha.

Primeiramente: netflix, youtube, spotify.Eu amo andar sozinha ouvindo uma boa playlist e pensando sobre as pessoas, sobre as ruas, sobre os prédios… Além disso, você pode sentar num restaurante pegar seu celular e assistir uma série, um vídeo no youtube, e o tempo vai passar rapidinho e você nem vai notar os outros. Isso vai evitar aqueles pensamentos “tá todo mundo me olhando”.

Livros também são ótimos tá? Eu li muito durante a viagem, e era uma ótima forma de ocupar o tempo sozinha em aviões, vans, barcos e outros momentos de “solidão”. Digo o mesmo pra papel e caneta ou laptop, pra manter um diário de viagem, que é uma delícia de ler depois e reviver a viagem.

Outra coisa importante: muita gente come sozinha e viaja sozinha ao redor do mundo. Eu raramente era a única pessoa sozinha em um restaurante, nem em um hostel.

Por fim, meu maior conselho é: abrace o estar sozinha. Uma das maiores conquistas desse tipo de viagem é alcançar essa liberdade e independência. Afinal, você é sua única companhia eterna, então aprenda a gostar dessa pessoa que você é, da companhia dela, então os momentos de “solidão” vão ser muito mais agradáveis e até necessários.

  • Ficar completamente perdida

Não vou mentir. Você vai passar por muitos perrengues e vai se ver em situações que vão te fazer pensar “o que eu tô fazendo aqui?”

Depois de morar sozinha, passei a ter uma confiança maior na minha habilidade de resolver problemas. Mas vários problemas que eu tive durante a viagem nunca nem tinham passado pela minha cabeça. E eu tive que aprender a “me virar”.

Mas isso não é maravilhoso? Eu descobri que sou ainda mais versátil do que eu imaginava. E que minhas habilidades são infinitas.

Logo que cheguei em Hong Kong fiquei até tonta sem saber pra onde ir, como atravessar a rua… Me senti uma criança perdida. Dois dias depois eu já estava me sentindo local. Foi incrível! Aprendi que sou adaptável e posso sobreviver em vários ambientes diferentes. E você vai descobrir que você também é!

Passei por muitos perrengues, e você também vai passar. Não vai ser tudo lindo e incrível. E isso é, em si, uma coisa ótima. Porque a vida é assim, e viajar não significa escapar da vida. Mas você vai conhecer sua própria força e ver que você não precisa de ninguém, e que as relações que você nutre não se baseiam na necessidade, mas no carinho, no amor… (tudo aquilo que já falei ali em cima).

  • Ficar sem dinheiro/O dinheiro faltar

Dinheiro é muito importante. Afinal, pra tudo se precisa de dinheiro: pra comer, pra se hospedar, pra voltar pra casa…

E existem muitas formas de ficar sem dinheiro. Além de ser roubada ou fraudada, você pode passar por algum imprevisto, ou perceber que calculou errado os custos.

Dos medos de viajar sozinha esse é o mais fácil de evitar. É necessário preparação e planejamento.

No momento de planejar a viagem, é muito importante ser realista quanto aos custos. Na página de recursos deixei algumas ferramentas que te ajudam a ter uma noção bem real dos gastos comuns em vários destinos (com hospedagem, alimentação, transporte…).

Além disso, é sempre bom ter um plano B. Não somente um seguro viagem, que é muito importante, como também cartões reserva, pessoas no Brasil que possam te enviar dinheiro ou te ajudar caso necessário, e um pouco de dinheiro em espécie guardado no cofre da sua acomodação pra emergências.

Eu me vi sem dinheiro diversas vezes na minha viagem. Nas Filipinas fui surpreendida duas vezes com cidades em que nenhum caixa eletrônico funcionava e em que nenhum lugar aceitava cartão. Fui salva por pessoas que conheci nos hostels e que me emprestaram dinheiro.

Eu amo e super indico ter uma conta no paypal. Eu paguei pessoas que me emprestaram dinheiro, alguns hostels e até comida usando paypal (que só precisa do seu celular e de uma conexão mínima de internet). É um ótimo plano B.

Fiquei sem dinheiro também quando sofri uma fraude em Bali e sacaram todo o dinheiro que tinha na minha conta. Por sorte, tinha alguns cartões extras e pessoas que me ajudaram do Brasil, além do seguro viagem que também me auxiliou.

Então, planejando a viagem considere os imprevistos e se prepare sempre considerando o pior dos cenários. Assim, você vai evitar muitos problemas.

Ainda existem formas de trabalhar durante a viagem, o que ajuda em muito caso o orçamento seja uma preocupação. Além disso, também existem estratégias pra conseguir economizar ao máximo durante e na preparação para a viagem (recomendo os vídeos da isabela maia no youtube).

  • Não ter alguém pra tirar fotos/compartilhar os momentos

Tudo bem que esses não são medos de viajar sozinha, mas sim preocupações.

Só que, de fato, é muito mais legal ter uma amiga que vai se desdobrar pra tirar a foto perfeita pra você do que ter que ficar pedindo pra estranhos. E também é legal ter alguém com quem depois você vai poder dizer “lembra quando tal coisa aconteceu lá na Tailândia?…“.

Acontece que essas preocupações são hoje muito fáceis de superar.

Primeiramente, tirar fotos sozinha não é a coisa mais difícil do mundo. Eu tirei quase todas as minhas fotos sozinha, usando tripé ou apoiando o celular/câmera em algum lugar. Outras eu pedi pra estranhos na rua, ou amigos que fiz durante a viagem.

Então, não se preocupe, é possível ter fotos lindas viajando sozinha. É só ver o perfil de várias meninas que fazem isso, e que eu amo acompanhar:

@sabrinadurantelima

@luisamoraleida

@anna.laura

Além disso, compartilhar momentos da viagem de muitas formas no século XXI. Eu fazia stories todos os dias, e várias pessoas acompanhavam meu dia a dia na estrada pelo meu Instagram. Você pode fazer o mesmo, ou usar o youtube, um blog, um bom e velho caderno… Sem contar que conversar com sua família e amigos que ficaram no Brasil também é bem mais fácil. Dá pra usar o skype, o facetime, o whatsapp, o telegram, facebook…

Mas também é uma delícia ter uma história que é só sua. Que está guardada dentro de você e que faz parte de quem você é. E o fato de você não ter tido alguém a todo momento do seu lado não anula isso, e te ensina a valorizar sua realidade e existência sem a necessidade da validação do outro.


Você pode, e deve, viajar sozinha 

medos de viajar sozinha

Recebi muitas mensagens de meninas dizendo que eu era muito corajosa por estar viajando sozinha. Mas quem me conhece há um bom tempo sabe o quanto eu sou medrosa, passei por síndromes de ataque de pânico e por traumas que por muito tempo controlaram a minha forma de viver.

Eu não tenho nada que você não tenha. Nenhum superpoder ou coragem monstruosa. Passo por todos os medos que provavelmente estão passando na sua cabeça e te fazendo duvidar da sua capacidade de viajar sozinha.

Mas meu medo de viver uma vida sem sentido para mim, evitando a realização dos meus sonhos, foi maior que qualquer um desses medos.

Por isso, eu quero que você termine esse post sabendo que você tem uma força absurda dentro de você. E que o único medo que você tem que nutrir constantemente é o medo de ser sempre a mesma, de evitar a sua evolução por causa dessa voz que fica dizendo que você não é capaz, aí dentro de você.

Viajar sozinha é lindo, é incrível, e é doloroso e transformador. Mas tudo que vale a pena não vem fácil. E viajar vale muito a pena.

Então, com medo ou sem medo, o importante é que você arrisque, que você faça diferente. Não só no quesito viajar, mas na forma de viver a sua vida.

Se joga nesse mundão e depois me conta como foi!

Qualquer dúvida, ou medo matutando na sua cabeça, ou se só quiser conversar, pode me mandar uma DM no instagram, ou deixar um comentário aqui embaixo. Juntas somos fortes e podemos criar uma comunidade linda!

You may also like

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *